“Hare Krishna” é uma abreviação do famoso maha-mantra: Hare Krishna, Hare Krishna, Krishna Krishna, Hare Hare / Hare Rama, Hare Rama, Rama Rama, Hare Hare.

Esse antiquíssimo mantra, encontrado nos Upanishads, é uma invocação direta a Deus, em amor e devoção.

Hare é uma invocação ao aspecto feminino de Deus (Deus Mãe).

Krishna é um nome de Deus que significa “o todo atraente”.

E Rama é um outro nome de Deus que significa “a fonte do prazer”.

Esse mantra, então, é um chamado a Deus em Seu aspecto masculino e feminino, todo-atraente, a fonte de todo prazer – ou seja, Deus reconhecido como tudo de bom, tudo que possa ser desejado, a pessoa mais amorosa e amável.

“Hare Krishna” também virou sinônimo de quem pratica auto-realização entoando esse mantra.

Os primeiros a fazerem isso no ocidente foram os membros da ISKCON – Sociedade Internacional para a Consciência de Krishna, que foi fundada pelo grande santo das religiões Hinduistas do Século XX, Sua Divina Graça A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada em 1966, na cidade de Nova Iorque.

Com o sucesso da ISKCON, porém, outras instituições com filosofias e práticas quase idênticas se estabeleceram ao redor do mundo.

Hoje, ser um “Hare Krishna” pode simplesmente denotar alguém que pratica a auto-realização em yoga (ou consciência de Krishna) nos moldes do que foi ensinado por Swami Prabhupada, que por sua vez estava transplantando para o ocidente os ensinamentos do Avatara Dourado, Sri Chaitanya Mahaprabhu, cujo aparecimento ocorreu em 1486.

 

Não se deve confundir “Hare Krishna” com alguns aspectos externos exibidos por monges da tradição: cabeça raspada e roupas açafroadas.

Nem tampouco deve-se achar que ser “Hare Krishna” implica em largar tudo e sair cantando na rua!

Hoje, 99% dos “Hare Krishnas” são pessoas de aparência normal, com seus empregos, negócios, estudos, família, etc.

A Revista Época fez uma boa matéria sobre esse tema da percepção errônea dos “Hare Krishna”, Cliquem aqui para ler a matéria.

O que são os Vedas?

 

Basicamente os Vedas são as quatro escrituras básicas (Rg, Yajur, Sama e Atharva-Vedas),  os Puranas (cujo principal é o Srimad Bhagavatam), os épicos – o Mahabharata (do qual o Bhagavad-gitaé a seção mais importante) e oRamayana, os Upanishads, os Sutras (mais famosos sendo o Vedanta Sutra e os Yoga Sutras de Patanjali), as ciências auxiliares (ayurveda, astrologia, etc.) e os comentários ou livros escritos pelos grandes mestres baseado nesses textos.

As quatro escrituras, Rg, Yajur, Sama e Atharva-Vedas, descrevem os elaborados rituais e mantras usados na religião do povo nos tempos védicos, que se centrava na adoração de semideuses (ou deuses da natureza).

 

Assim, como encontramos praticamente em toda a parte do mundo antigo (Grécia, Roma, Egito, Norte da Europa, América do Sul, etc.) a adoração de seres como o deus do sol, deus dos ventos, do mar, etc., também encontramos exatamente isso como sendo a religião popular da época védica.

Por envolverem intricados rituais que não são mais seguidos, essas quatro escrituras não são úteis atualmente.

Nelas praticamente não encontramos a verdadeira jóia do conhecimento e práticas espirituais de auto-realização em yoga, em puro amor ao Senhor Supremo.

Os Upanisads são muitos em número (mais de 108).

São tratados filosóficos sobre a Verdade Última, sobre a Realidade.

Entre os Upanishads, um dos mais importantes é o Sri Isopanishad (disponível em Português impresso e em áudio MP3).

Ele se destaca por ser o único que é diretamente parte de uma das quatro escrituras básicas, sendo parte do Yajur Veda.

Srimad Bhagavatam é o Purana mais famoso e um livro de espantosa beleza, profundidade, riqueza, filosofia e sabedoria.

Ele revela em grande detalhe a natureza de Deus, da alma, do “reino de Deus”, do mundo material, do processo de autorrealização, do problema e inutilidade inerente da adoração de semideuses e importância de buscar Deus acima deles, do efeito da consciência na matéria e vice-versa e muito mais.

O livro tem 12 Cantos, com mais de 14 mil versos.

Sua versão traduzida e comentada por Srila Prabhupada contém 19 mil páginas e está disponível em Português.

Bhagavad-gita tem toda uma posição especial dentre os Vedas (ou literatura védica), pois apresenta o aspecto mais refinado da filosofia e prática espiritual védica – o caminho da auto-realização em yoga.

É um resumo de toda a espiritualidade e filosofia da cultura védica.

É o texto mais importante sobre yoga e autorrealização e é aceito como o livro base da tradição da espiritualidade e religião da Índia.

No Bhagavad-gita se descrevem as diferentes etapas do caminho do yoga (karmajnana e bhakti).

Apesar de ainda pouco conhecida no Ocidente, a Bhagavad-gita é um tesouro de felicidade venerado no Oriente.

O livro de 5000 anos atrás revela a raiz de todo o yoga, que, em sua forma completa, é a antiga ciência espiritual de como viver bem e se iluminar, mesmo no corre-corre dessa vida.

Pode encontrar muitos destes livros em nossa biblioteca virtual em PDF para baixar gratuitamente e sendo constantemente atualizada com cada novo tesouro que encontramos, pode acessar parte do acervo aqui mesmo no site CLIQUE AQUI ou atraves do app telegram na BIBLIOTECA DO SR.BLACK, esta sendo atualizada quase que diariamente.

Revisão: SR.Black

Compartilhe esse conhecimento com seus amigos(as)…

DEIXE UMA RESPOSTA

Entre com seu comentário
Entre com seu nome