Fragmentos de pergaminho do século XIII sobre Merlim podem reescrever as Lendas Arturianas

Foram encontrados nos arquivos da Biblioteca Central de Bristol, Inglaterra, fragmentos de pergaminho sobre a história do mago Merlim. No total, foram encontrados sete fragmentos originais, escritos a mão no século XIII. Eles estavam dentro de um livro do século XVI de autoria do estudioso e reformador francês Jean Gerson (1363-1429), sem qualquer relação com as lendas do Rei Artur.

Acadêmicos das Universidades de Bristol e Durham estão analisando os sete fragmentos. Supõe-se que pertençam a uma série de textos em francês antigo conhecidos como Ciclo da Vulgata ou Ciclo Lancelote-Graal.

No detalhe: o nome "Merlim" escrito em pergaminho | Foto: University of Bristol | manuscrito medieval em pergaminho sobre as Lendas Arturianas

No detalhe: o nome “Merlim” escrito em pergaminho | University of Bristol

Os manuscritos contam a história da Batalha de Trèbes, na qual Merlim inspira as forças de Artur com um discurso inflamado. Ele, então, lidera um ataque portando o Estandarte do Dragão, que cuspia fogo de verdade, pertencente a Sir Kay.

Acredita-se que partes do Ciclo da Vulgata foram provavelmente utilizadas por Sir Thomas Malory (1415-1471) para escrever seu famoso trabalho Le Morte D’Arthur (A Morte de Artur), publicada em 1485. A obra tornou-se a fonte principal para diversas releituras das Lendas Arturianas. No entanto, nenhuma versão do Ciclo da Vulgata é comprovadamente igual à que ele parece ter consultado para redigir Le Morte D’Arthur.

A princípio, os fragmentos encontrados apresentam algumas diferenças sutis em comparação à narrativa tradicionalmente contada. Os personagens responsáveis por liderar as quatro divisões do exército de Artur são diferentes. O inimigo do Rei Artur e de Merlim, Rei Claudas, é ferido na coxa nas versões tradicionais. Entretanto, nos fragmentos encontrados não há especificação do local do ferimento.

A descoberta

O bibliotecário Michael Richardson foi o responsável pelo achado. Ele estava à procura de materiais para estudantes do Mestrado em História Medieval. Ao reconhecer diversos nomes típicos das Lendas Arturianas, entrou em contato a Dra. Leah Tether da International Arthurian Society. Imediatamente, ela reconheceu o texto e reuniu uma equipe de especialistas para maiores investigações.

Esses fragmentos da História de Merlim são um achado maravilhosamente emocionante, que podem ter implicações para o estudo não apenas deste texto, mas para outros relacionados e mais tardios que moldaram nosso entendimento moderno sobre a Lenda Arturiana.

 

Tempo e pesquisa revelarão que outros segredos sobre as lendas de Artur, Merlim e o Santo Graal esses fragmentos podem carregar.

 

O sudoeste da Inglaterra e o País de Gales estão, é claro, intimamente ligados aos muitos locais famosos da Lenda Arturiana, então é ainda mais especial encontrar um fragmento tão antigo da lenda — anterior a qualquer versão escrita em inglês — aqui em Bristol.

— Dra. Leah Tether

Da esquerda para a direita: Leah Tether, Laura Chuhan Campbell, Michael Richardson e Benjamin Pohl na Sala de Livros Raros da Biblioteca Central de Bristol | University of Bristol

Da esquerda para a direita: Leah Tether, Laura Chuhan Campbell, Michael Richardson e Benjamin Pohl na Sala de Livros Raros da Biblioteca Central de Bristol | University of Bristol

Os próximos passos

Os pesquisadores pretendem descobrir como os fragmentos chegaram a Bristol, bem como quando e onde foram produzidos. Pretendem desvendar também como foram parar dentro do livro de Gerson. A partir daí, realizarão uma transcrição e uma edição do material, juntamente com uma descrição do contexto da elaboração do manuscrito. Desejam, com isso, possibilitar aos estudiosos mundo afora consultá-los apropriadamente.

A equipe declarou que, caso o texto fosse impresso em papel moderno, tomaria cerca de vinte páginas. Afirmaram também que existem alguns danos no texto, o que tomará mais tempo para que seja decifrado integralmente.

Serão utilizadas análises inovadoras e técnicas com radiação infravermelha para contornar o problema.

A Mitologia Grega e as Lendas Arturianas por John William Waterhouse

John William Waterhouse nasceu no ano de 1849 em Roma, de pais ingleses, os também pintores William e Isabella Waterhouse. Inicialmente adepto do academicismo, abraçou a escola criada pela Irmandade Pré-Rafaelita e ganhou notoriedade por retratar figuras femininas da Mitologia Grega e das Lendas Arturianas, assim como outros motivos literários, tais como obras de William Shakespeare, Alfred Tennyson John Keats.

John William Waterhouse

Seus pais retornaram para Londres em 1854 e puseram o garoto, carinhosamente chamado por “Nino”, em contato com obras de arte nos principais museus da capital inglesa. O pequeno John logo passou a rabiscar várias das obras expostas nos museus. Em 1871, ingressou na Academia Real Inglesa. Estudou escultura  antes de se dedicar de vez à pintura em 1874, ano em que o seu quadro Sono e o seu meio-irmão Morte, que versa sobre os deuses gregos Hipnos (sono) e Tânato (morte) e que foi inspirado pela morte por tuberculose de seus dois irmãos mais novos, fez grande sucesso na exposição de verão da Academia Real.

Sono e o seu meio-irmão Morte | John William Waterhouse

Uma das suas obras mais famosas e também a sua preferida é A Dama de Shalott (imagem que encabeça a postagem) de 1888, que trata de Elaine de Astolat, como retratada no poema de Alfred Tennyson, que morreu em decorrência de uma maldição (um amor não correspondido) após olhar diretamente para o belo Sir Lancelot.

Seu prestígio foi crescente por toda a sua carreira. Tornou-se professor na St John’s Wood Art School, entrou para o St John’s Wood Arts Club e serviu no Conselho da Academia Real.

Pintou até o fim de sua vida.

Faleceu em 1917, em decorrência de um câncer, deixando como legado 118 pinturas.

O Círculo Mágico (1886) | John William Waterhouse

Cleópatra (1888) | John William Waterhouse

La Belle Dame Sans Merci (1893) | John William Waterhouse

Pandora (1896) | John William Waterhouse

Tristão e Isolda (1916) | John William Waterhouse

Lâmia (primeira versão em 1905) | John William Waterhouse

Hilas e as Ninfas (1896) | John William Waterhouse

Miranda – A Tempestade (1916) | John William Waterhouse

Eco e Narciso (1903) | John William Waterho

Fonte

Revisão: SR.Black

Compartilhe esse conhecimento com seus amigos(as)…

Artigo anterior#DESPERTE – O Maior Segredo do Governo e do MJ12
Próximo artigo#SERES – Solar Warden (Guardião do sistema solar)
SR Black
Pequena contribuição para todos que estão, como eu, trilhando o caminho de volta para Casa - para dentro de si mesmo. Meu objetivo aqui é compartilhar mensagens que encontro na net, ou que me são enviadas por amigos humanos ou Seres de outras realidades, dimensões ou planos existenciais, que ajudem na compreensão de várias áreas dentro do caminho espiritual. Tambem quero aqui compartilhar ensinamentos e técnicas que utilizo em meu caminho cujo objetivo é atingir a transmutação, alinhamento, harmonia, silêncio, Paz interior (que gera a exterior..), enfim... a união e a comunhão com o Divino. "Segue sempre teu coração; Mentes podem ser convencidas - o coração, não!" (Trecho do Livro "Mensagens dos Mestres - De Coração a Coração") "A Preocupação olha em volta, A Saudade olha para trás, A descrença olha para baixo, A Fé olha para cima, A Esperança olha para a frente e... O EU SOU vive o AGORA!" Muita Luz, Beleza, AMOR, Paz e BOM HUMOR sempre! Projeto Rumo a Nova Humanidade tem como objetivo: Em poucos anos, nosso planeta passará por imensas transformações em todos os níveis existenciais, portanto todos devemos: Promover todos os conceitos fundamentais para a elevação e iluminação do ser Amor, Liberdade, Perdão e Gratidão sobre todas as coisas Acolher, Amparar, Reeducar, Respeitar todos os seres vivos e proteger nosso planeta Orientar a todos através da busca constante do conhecimento Vamos todos juntos nos tornar melhores e livres, avançando sempre rumo a nova humanidade !!!