O suicídio coletivo era uma tentativa de embarcar numa nave alienígena. Mais de 30 corpos foram encontrados em uma mansão em San Diego

Logo do site Heaven's Gate
Logo do site Heaven’s Gate – Wikimedia Commons

Era 26 de março de 1977 quando policiais de San Diego, Califórnia, receberam uma denúncia anônima: dezenas de corpos estavam numa mansão de um bairro nobre da cidade. Quando chegaram no local, deparam-se com algo mais surreal do que imaginavam: 39 corpos, já em estado de decomposição, vestidos de preto, cobertos por um grande pano roxo.

Ao lado de cada cadáver, uma mala, como se estivessem prontos para partir. O mundo estava diante do maior suicídio em massa da História dos EUA (a tragédia de Jim Jones foi na Guiana).

Os corpos encontrados naquele domingo eram de membros da seita Heaven’s Gate (Porta do Paraíso), liderada por Marshall Applewhite, que havia sido um professor universitário, casado e pai de dois filhos. Até, numa epifania, passar a acreditar que era a reencarnação de Jesus Cristo. Isso renderia uma passagem por uma clínica psiquiátrica de Houston, mas o efeito foi o posto.

Lá, ele conheceria a enfermeira Bonnie Lu Nettles, que o convenceu de que tal encontro havia sido premeditado por alienígenas e que ambos foram escolhidos a dedo e enviados a Terra como mensageiros de Deus para cumprir profecias bíblicas.

Marshall Applewhite e Bonnie Lu Nettles / Crédito: Wikimedia Commons

Adotando os pseudônimos Bo e Peep e Do e Ti,  passaram a afirmar entrar em contato com extraterrestres. Acreditavam que, quando morressem, ressuscitariam numa espaçonave. Eles escreveram panfletos que descreviam a reencarnação de Jesus como um Texano, em referência a Applewhite. Depois, visitaram igrejas e grupos espirituais para contar sobre suas identidades, mas não foram bem recebidos.

Corpos foram encontrados em colchões espalhados pela casa / Crédito: Wikimedia Commons

Por volta de 1974, Marshall e Bonnie passaram a recrutar discípulos, que chamavam de tripulantes. O grupo acreditava que a Terra passaria por uma mudança, e que a única forma de sobreviver seria deixar o planeta. Os escolhidos para ascender ao novo nível de evolução deviam se livrar de todas as características humanas, que os ligavam à Terra.

Quando Bonnie Nettles morreu, em 1985, Applewhite manteve o grupo unido — eles desistiram dos bens materiais e viviam em comunidade, compartilhando tudo. Applewhite e outros membros do sexo masculino passaram por processos de castração, deixando clara sua renúncia ao sexo.

Com o surgimento da internet, o grupo começou a usar a nova tecnologia para compartilhar suas crenças com mais pessoas. Da internet eles também tiraram seu meio de sobrevivência — desenvolviam websites para clientes, sob o nome de Higher Source (Fonte Maior).

Corpos são retirados da mansão em San Diego / Crédito: Jonathan Alcorn

Em março de 1997, 39 membros, com idades entre 26 e 72 anos, vestiram camisas pretas, calças pretas de ginástica e tênis novos Nike. Nos ombros, colocaram patches que traziam a frase Heaven’s Gate Away Team (Equipe de Expedição da Heaven’s Gate) — uma referência a Star Trek: quando Spock, Kirk e amigos saíam em missões, estavam num away team.

Então, tomaram fenobarbital misturado com suco de maçã, colocando tudo para dentro com a ajuda de vodka. Deitaram em suas beliches, de barriga para cima, e colocaram sacolas plásticas nas cabeças, para induzir a asfixia. Cobriram a cabeça e o tronco com um pano roxo, e aguardaram a tão esperada viagem.

Membros usavam roupas pretas cobertas por um pano roxo / Crédito: Wikimedia Commons

As autoridades acreditam que os suicídios aconteceram em três dias consecutivos. Quinze membros teriam falecido no dia 24 de março, mais quinze no dia 25 e os últimos nove no dia 26. Applewhite foi um dos últimos a falecer — duas mulheres continuaram vivas após sua morte e foram as únicas encontradas sem sacolas plásticas nas cabeças.

Depois do suicídio em massa, Heaven’s Gate ficou conhecido como um dos maiores cultos do século 20, principalmente por ser o primeiro culto conhecido a usar a internet para disseminar suas crenças. O site da Heaven’s Gate continua no ar, da mesma forma que era em 1997.

 


Sua contribuição é fundamental para manter o site funcionando e independente. Somos censurados pelas gigantes de TI [Big Techs] em relação ao material por nós publicado, com consequente impacto e completa suspensão dos anúncios. Também não somos monetizados por nenhuma midia social (Faceok, Instagram, Youtube e etc). Considere fazer uma pequena contribuição mensal atraves de nosso APOIA.SE (valores entre $ 10 e $ 50 reais, ou qualquer outra moeda e valor) se utilizando do mecanismo  PayPal disponibilizado pelo site. Para pgto único PIX utilize a chave que disponibilizamos acima na imagem e para outras formas de contribuição, entre em contato pelo e-mail rumoanovahumanidade2016@gmail.com e solicite os dados de nossa conta bancária. Sem a ajuda imediata de nossos assíduos leitores e apoiadores, não conseguiremos arcar com todos os custos inerentes à manutenção do site e toda a nossa rede de publicações nas redes sociais e iremos encerrar o nosso trabalho em março 2021.

_______________________________________________________________________

 

É mantido por Mark e Sarah King, casal que foi membro do grupo durante 12 anos, com o objetivo de deixar a informação disponível para quem quiser aprender. “De certa forma, é como plantar sementes para o futuro, para que as pessoas se familiarizem com o Próximo Nível e se preparem para um eventual retorno”, afirmaram os administradores.

Site da Heaven’s Gate continua no ar / Crédito: Divulgação

Um dos textos que explicam o propósito do grupo fala sobre o suicídio como forma de atingir um outro nível de existência. “Nós discutimos esse tópico (sobre deixar esse corpo sobre essas condições) e nos preparamos mentalmente para essa possibilidade. No entanto, esse ato certamente não merece séria consideração, e esperamos que não mereça no futuro.”

Diferente do caso de Jim Jones, o sucídio parece ter sido sem coerção, nem havia crianças entre as vítimas.


Saiba mais sobre casos bizarros através das obras abaixo

Jim Jones and the Peoples Temple: The History of the Most Notorious Cult and Mass Murder-Suicide in American History, de Charles River Editors, 2015 – https://amzn.to/2MLpuRe

Heaven’s Gate: Postmodernity and Popular Culture in a Suicide Group (e-book) – https://amzn.to/2O5lHim

Mass suicides: Masada, Forty-seven Ronin, Mass suicide in Demmin, Battle of Saipan, Heaven’s Gate, Siege of Yodfat, Order of the Solar Temple, Source: Wikipedia (2011) – https://amzn.to/2OB3SGT

CONHEÇA JIM JONES E O MACABRO MASSACRE DE JONESTOWN

O suicídio coletivo – e massacre – em Jonestown, conduzido por um líder religioso tido como progressista, deixou o mundo em choque

Visão área do local que foi palco para o insólito episódio
Visão área do local que foi palco para o insólito episódio – Getty Images

Foi uma das cenas mais dantescas de um século famoso por suas atrocidades inéditas. Algo abjetamente explícito e compacto, e ainda mais inexplicável que as catástrofes mais lembradas, porque vinha de civis sem uma ideologia real.

Nos dias que se seguiram à noite de 18 de novembro de 1978, fotógrafos e repórteres tiveram de se mover por um tapete de 909 corpos, 304 dos quais menores de idade, rapidamente inflados e irreconhecíveis pelo calor do verão amazônico. Imagens abjetas que correriam o mundo, estampadas a cores em jornais e na TV.

O reverendo Jim Jones havia ordenado a toda sua comunidade, não muito modestamente batizada de Jonestown, que fizesse fila para beber um refresco em pó tratado com uma mistura de cianeto de potássio e calmantes, disposto em baldes industriais.

Participe de nosso grupo no Telegram – Rumo a Nova Humanidade
Venha para o nosso grupo exclusivo no TELEGRAM e fique sempre bem informado e em contato com pessoas que pensam como você, clique no logo acima e será direcionado.

E eles assim o fizeram, muitos por vontade própria, mas outros sob ameaça dos seguranças armados. Vários corpos apresentaram indícios de tiros e facadas.

“Digo a vocês, não me importo de quantos gritos vocês tenham que ouvir, não importa quanto choro agonizante”, ouvia-se o líder dizer pelo alto-falante. “A morte é um milhão de vezes melhor que mais 10 dias desta vida. Se vocês soubessem o que está adiante de vocês… se soubessem do que está adiante de vocês, ficariam felizes de estarem partindo esta noite.”

Pastor progressista

James Warren Jones, mais conhecido por Jim Jones, nasceu em maio de 1931, e desde cedo demonstrou grande interesse pelas obras de Joseph Stalin, Karl Marx, Mao Zedong, Mahatma Gandhi e Adolf Hitler.

Na idade adulta, declarava-se comunista e lutava ao lado dos afro-americanos contra a segregação e a discriminação racial nos Estados Unidos. Jones e sua esposa Marceline adotaram várias crianças não brancas, algo inédito a uma família branca. Chamavam a si próprios de família arco-íris.

Jim Jones recebe o Prêmio Humanitário Martin Luther King Jr. do pastor Cecil Williams, em 1977 / Crédito: Wikimedia Commons

Em 1956, Jones inaugurou o Templo do Povo, seita supostamente cristã, em Indiana. Em 1962, citando o medo do apocalipse nuclear, tentou mudar a sede para o Brasil, em Belo Horizonte.

A aventura não durou muito. Jones não falava português e, não conseguindo arrebanhar discípulos. Voltou para os Estados Unidos em 1963. Desta vez, se instalou na Califórnia, centro da indústria cultural e perfeito lugar para se tornar uma celebridade. Foram abertas filiais do Templo em São Fernando, Los Angeles e São Francisco.

Jones foi capaz de ganhar o apoio do público e aproximar-se de figuras políticas progressistas, entre elas a primeira-dama Rosalynn Carter. Em 1977, chegou a ser comparado com Martin Luther King Jr., Angela Davis e Albert Einstein pelo deputado democrata Willie Brown.

A comunidade

Não era essa, porém, a opinião de ex-integrantes da seita. Na metade de 1977, Jones e os membros do Templo do Povo se transferiram para a Guiana, em tese para fundar em Jonestown uma utopia comunista.

Na prática, fugindo de acusações de morte, perseguição, sequestro e abusos psicológicos e sexuais que aos poucos chegavam aos ouvidos da mídia americana. Não muito depois, em agosto de 1977, um artigo dos jornalistas Marshall Kilduff e Phil Tracy que denunciava o Templo seria publicado na revista New West.

A esta altura, era difícil ver qualquer coisa de cristianismo na seita. A megalomania de Jones havia chegado ao ponto em que ele se afirmava a reencarnação de Jesus, Buda e Lenin.

Os muitos corpos encontrados no local / Crédito: Getty Images

 

A nova comunidade de Jones foi construída dentro da Floresta Amazônica, com a aprovação do então presidente da Guiana, Forbes Burham. O nome oficial era Projeto Agrícola do Templo do Povo, mas todos conheciam o lugar como Jonestown, um paraíso socialista e santuário para os seus moradores. Foi lar de mais de 900 americanos, 68% deles negros.

O lugar era autossuficiente. Havia uma escola, bangalôs e um pavilhão central, além de espaço para que os habitantes cultivassem verduras e legumes. A única forma de contato com o mundo era um rádio de ondas curtas.

Relatos de sobreviventes apontam que Jones promovia um regime ditatorial, com punições severas e presença de guardas armados para evitar fugas. Ali, o pastor começou a propagar a sua ideia de que ele e seus seguidores deveriam morrer juntos para ir a outro plano mais feliz.

Mais de uma vez, foram feitas simulações de suicídio. Os baldes foram trazidos, as pessoas foram informadas que era veneno e tomaram. Quando o grande dia chegou, muitos dos primeiros na fila imaginaram se tratar de mais uma simulação. Até que os corpos começaram a cair e os gritos de crianças ficaram cada vez mais altos.

O massacre

Jones tomou a decisão de acabar com tudo após o governo americano bater em sua porta. Em 1978, o congressista dos Estados Unidos Leo Ryan decidiu ir a Jonestown para investigar acusações de abusos de direitos humanos. Junto a uma delegação, negociou a sua entrada em Jonestown em 17 de novembro.

Na tarde seguinte, Ryan e seus parceiros partiram, levando vários membros da seita que decidiram abandoná-la, após muita discussão e acusações internas. Foi atacado por um dos supostos dissidentes no caminho, com uma faca, mas o homem acabou sendo controlado.

Às 17h20, a comitiva toda estava embarcada em dois Cessnas na pista de decolagem próxima ao templo. De dento de um deles, Larry Layton, um membro de alto escalão da seita que havia insistido em acompanhá-los, começou a disparar com uma pistola.

O outro avião foi cercado por membros da guarda de Jim Jones, vindos numa carroça puxada por um trator. Dispararam com escopetas, fuzis e pistolas. Antes das 18h, o congressista Ryan e outros quatro jaziam mortos na pista, com mais 11 feridos.

Suicídio revolucionário

Uma gravação recuperada pelo FBI mostra os 45 minutos anteriores ao suicídio. Jones diz para os membros do Templo do Povo que a União Soviética não os aceitaria após o assassinato de Ryan.

Em seus últimos dias, Jones havia tentado convencer os soviéticos a aceitar a migração em massa para seu território. Também afirmou que organizações do governo apareceriam em Jonestown e torturariam cada um deles, desde crianças a idosos.

A única solução seria o suicídio revolucionário. “Não tenha medo de morrer”, ele diz na gravação. “Nós não estamos cometendo suicídio; estavam cometendo um ato de suicídio revolucionário em protesto às condições inumanas do mundo.”

As crianças foram as primeiras a beber o refresco em pó da marca Flavor Aid, sabor uva. Levava cerca de 5 minutos para um adulto tombar, dando tempo para serem posicionados de bruços no terreno em volta, as famílias juntas. Quem tentou fugir, foi morto. Apenas 35 sobreviveram, se escondendo até os guardas tomarem o refresco eles próprios.

Jones não bebeu.

Seu corpo foi achado em uma cadeira de praia, morto com um tiro na cabeça dado por ele mesmo.


Saiba mais sobre o massacre de Jonestown através de grandes obras

The Jonestown Massacre: What We Must Not Forget, de Mel White, 2018 – https://amzn.to/2pcQW1i

The Strongest Poison – How I Survived the Jonestown Guyana Massacre, de Mark Lane, 2014 – https://amzn.to/2Ndokgt

Raven: The Untold Story of the Rev. Jim Jones and His People, de Tim Reiterman e John Jacobs 2018 – https://amzn.to/2MP8Z6R

The Road to Jonestown: Jim Jones, de Jeff Guinn 2017 – https://amzn.to/344a8gM

Jim Jones and the Peoples Temple: The History of the Most Notorious Cult and Mass Murder-Suicide in American History, de Charles River Editors, 2015 – https://amzn.to/2MLpuRe

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Revisão: Sr.Black

Compartilhe esse conhecimento com seus amigos(as)…

Torne-se um APOIADOR(A) da rede Rumo e ajude a manter esse trabalho ativo e online com apenas R$ 1,00 real mensal e receba vantagens exclusivas – Clique aqui

Contribua uma única vez, qualquer valor,  através do PIX

Chave PixRumoApoio@gmail.com

Outras formas de APOIAR / DOAR para rede Rumo – Clique aqui

Conheça e participe de todo o nosso trabalho na Internet e Redes Sociais – Clique Aqui

Saiba mais sobre o assunto em:

#Desperte – INWO o jogo profético para controlar o planeta

 

#LIVE – OS CHARLATÕES DA FÉ – PARTE 4 – ESTELIONATO NIBIRÚ – VERSÃO EDITADA

 

 

Artigo anterior#Desperte – OVNIS E FUGAS PARA A AMÉRICA DO SUL: 10 TEORIAS CONSPIRATÓRIAS SOBRE O NAZISMO
Próximo artigo#Tecnologia – Novas regras do WhatsApp aumentam nossa ‘subserviência’ e trazem riscos
SR Black
Pequena contribuição para todos que estão, como eu, trilhando o caminho de volta para Casa - para dentro de si mesmo. Meu objetivo aqui é compartilhar mensagens que encontro na net, ou que me são enviadas por amigos humanos ou Seres de outras realidades, dimensões ou planos existenciais, que ajudem na compreensão de várias áreas dentro do caminho espiritual. Tambem quero aqui compartilhar ensinamentos e técnicas que utilizo em meu caminho cujo objetivo é atingir a transmutação, alinhamento, harmonia, silêncio, Paz interior (que gera a exterior..), enfim... a união e a comunhão com o Divino. "Segue sempre teu coração; Mentes podem ser convencidas - o coração, não!" (Trecho do Livro "Mensagens dos Mestres - De Coração a Coração") "A Preocupação olha em volta, A Saudade olha para trás, A descrença olha para baixo, A Fé olha para cima, A Esperança olha para a frente e... O EU SOU vive o AGORA!" Muita Luz, Beleza, AMOR, Paz e BOM HUMOR sempre! Projeto Rumo a Nova Humanidade tem como objetivo: Em poucos anos, nosso planeta passará por imensas transformações em todos os níveis existenciais, portanto todos devemos: Promover todos os conceitos fundamentais para a elevação e iluminação do ser Amor, Liberdade, Perdão e Gratidão sobre todas as coisas Acolher, Amparar, Reeducar, Respeitar todos os seres vivos e proteger nosso planeta Orientar a todos através da busca constante do conhecimento Vamos todos juntos nos tornar melhores e livres, avançando sempre rumo a nova humanidade !!!